“Fora Bolsonaro!” confrontos violentos em Pádua. Bolsonaro cancela a visita

Bocas de incêndio e acusações contra os manifestantes que tinham forçado o bloqueio de celas e se dirigiam em direcção à Basílica do Santo. Uma pessoa foi presa e várias ficaram feridas. À noite, o anúncio: o presidente brasileiro cancelou a sua visita a Pádua.

5 / 11 / 2021

Chuvas fortes e frio: a anunciada chegada do Presidente brasileiro Jair Bolsonaro coincide com uma brusca mudança de direcção no tempo, no final do Outono. Apesar disso, muitas pessoas responderam ao apelo lançado por Cso Pedro, Adl Cobas e outras organizações da cidade de Prato della Valle. O apelo continha uma mensagem clara: a presença de Bolsonaro é um insulto à cidade e as pessoas que vão para as ruas fá-lo-ão para bloquear a sua chegada. Mesmo o título da manifestação, na grande faixa de abertura, não deixou dúvidas: "Fora Bolsonaro!", referindo-se aos protestos que o presidente está a receber em casa, mas também a uma inequívoca expressão do dialecto veneto.

Cenas de guerra de guerrilha no centro da cidade: truncheiras e canhões de água contra o cortejo que estava determinado a chegar à Basílica de Santo António para dizer a Bolsonaro que não há lugar em Pádua para as suas posições homofóbicas, fascistas e racistas, e que foi imediatamente bloqueada por uma carga e, imediatamente a seguir, por um canhão de água. Confrontado com a presença de um chefe de estado como Bolsonaro, o estado italiano ficou do lado de posições fascistas ao reprimir a dissidência na cidade. No decurso das acusações, uma rapariga foi presa, apenas para ser libertada à noite, e houve vários feridos. À noite, o anúncio foi feito: o presidente brasileiro cancelou a sua visita, precisamente devido aos protestos da tarde.

O evento de hoje contou com a participação dum grande número de cidadãos, mas foi tão grande que atraiu grandes delegações de todo o nordeste e de outras partes de Itália. Bolsonaro representa tão bem a síntese do "mal contemporâneo" que a sua presença oferece a oportunidade de trazer para as ruas as muitas questões em que os movimentos sociais têm trabalhado durante anos. Nos quase três anos da sua presidência distinguiu-se por ter demolido qualquer avanço (tímido) no campo dos direitos civis e sociais que tinha havido no Brasil; por ter bloqueado a restituição de terras aos povos indígenas; por ter conduzido uma guerra de baixa intensidade contra os povos indígenas, feministas, activistas sociais; por ter encorajado o aumento da violência extractiva em todo o país, especialmente na Amazónia. E depois o negador e criminoso da pandemia, pelo qual foi acusado de crimes contra a humanidade por uma comissão parlamentar de inquérito que apelou à ONU: o país sul-americano é o segundo no mundo pelo número de mortes de Covid (mais de 600.000), que se concentram nos sectores mais pobres e mais racializados da população.

Por todas estas razões, muitas vozes foram levantadas na praça de Pádua. A começar por Lisa de Cso Pedro, que abriu o dia da mobilização de hoje, reiterando que "o ódio, a homofobia e o negacionismo não devem ter lugar".

Mattias of Rise Up 4 Climate Justice, um movimento climático recém-nascido que na sexta-feira passada foi o protagonista de uma iniciativa em Anguillara, sublinhou como "territórios são devastados por causa de pessoas como Bolsonaro. Na Amazónia, o último pulmão verde do mundo está a ser desmatado a fim de dar terra às multinacionais, expulsando os povos indígenas".

Melania de Non Una di Meno Treviso quis recordar Marielle Franco, activista indígena negra, morta por Bolsonaro, o primeiro instigador político, e continuou "esta cidade opor-se-á à chegada de um maquinista fascista, homofóbico e a maré transfeminista opor-se-á a ela.  São os nossos corpos de combate que tornam as cidades seguras".

Um professor italiano que trabalha no Brasil, mesmo aos pés da Amazónia, também falou, dizendo "como italiano tenho vergonha porque vi a Amazónia arder, vi a opressão no Brasil, a pandemia, o assassinato de Marielle Franco que hoje está connosco nesta praça". Agradeço-vos por estarem aqui.

Ilaria de Cso Pedro, falando da interseccionalidade das lutas, relança o dia mundial dos veganos, "as espécies amazónicas foram dizimadas nos últimos anos também por causa do consumo dos corpos dos animais para abate. Desde a pandemia de Covid-19, a Amazónia brasileira tem continuado a arder e a desflorestação tem batido novos recordes. No primeiro semestre de 2020, 3.000 hectares de floresta foram ocupados, um aumento de 25% em comparação com o mesmo período do ano passado".

Francesco de Open Your Borders, reitera "estamos aqui hoje por uma razão muito simples, para impedir Bolsonaro de entrar em Pádua. Estamos aqui hoje porque Pádua sempre foi uma cidade acolhedora mas com anticorpos bem treinados contra o racismo. É por isso que estamos aqui hoje para pôr os nossos corpos em risco. Bolsonaro representa portanto a visão de mundo elitista, classista e racista a que nos opomos firmemente, como também demonstrou com os seus repetidos ataques aos povos indígenas".

Após as acusações, a manifestação deslocou-se pelas ruas do centro da cidade para exigir a libertação do manifestante detido: "Pádua demonstrou inequivocamente que pode fazer frente àqueles que fazem do racismo, sexismo e negação do clima o seu manifesto político. "Fora Bolsonaro!" não era apenas um slogan, mas o grito de uma cidade digna que queria mostrar toda a sua indignação contra um dos piores criminosos do nosso tempo".

O facto de Bolsonaro se ter retirado da visita soa como uma grande vitória para aqueles que hoje se manifestaram, porque deixa claro que a determinação de centenas de corpos que resistiram aos canhões de água e aos bastões foi um impedimento fundamental: "só a luta compensa", para usar um velho slogan.

Traduzione Alessia Caiazzo.

Bookmark and Share